Atraentes e exóticas, as orquídeas ganharam fama e são consideradas indicadores de sofisticação e exclusividade. Com mais de 30 mil espécies, elas estão entre as queridinhas das plantas para se cultivar em casa ou presentear alguém. Os motivos são inúmeros: são bonitas, coloridas, perfumadas e, com poucos cuidados, podem durar anos e anos.

Cultivos básicos

Aonde podem ser plantadas?

A maior parte das orquídeas pode ser plantada em vasos de barro ou plástico, porém os de barro são mais recomendados, pois facilitam o arejamento das raízes e eliminam com mais eficiência a água em excesso. Para montar um vaso, coloque uma camada de pedra no fundo, cerca de dois a três centímetros, a fim de permitir a rápida drenagem da água residual. Na sequência, complete com fibra de coco (ou similar) previamente lavada. Evite substratos que contenham muito pó, porque as raízes necessitam de arejamento.

Há ainda orquídeas que dificilmente se adaptam dentro de vasos: nesses casos, o ideal é cultivá-las sobre tronco de árvores ou cascas de peroba, protegendo as raízes com um plástico até a sua adaptação.

 

Luminosidade e local

Em geral,  as orquídeas precisam receber sol para se desenvolverem adequadamente, portanto instale suas plantas em locais onde elas possam ser banhadas pelo sol da manhã ou do fim de tarde. Se a planta não tomar sol, ela não florescerá. Cuide também para que o ambiente seja arejados, mas não submetido a ventos muito fortes.

Quando, quanto e como regar?

A rega depende do substrato, mas nunca encharque sua orquídea, é mais fácil matar uma orquídea por excesso do que por falta d’água. Se uma orquídea está plantada em substrato com pó, a irrigação pode ser semanal, mas se o substrato for piaçaba (piaçava) ou casca de madeira, molhe a planta diariamente.

 

Adubação

Podem ser utilizados os adubos foliares (líquidos) – que se encontram na seção de jardinagem de supermercados ou lojas especializadas – e que devem ser adicionados (algumas gotas) à água com que será feita a vaporização através de pequenos pulverizadores. Pragas e doenças só aparecem com deficiências de cultivo e podem ser combatidas com caldas naturais ou catação manual.

5 segredos da rega perfeita

· Dispense o prato que fica embaixo do vaso. Orquídeas não gostam de ter água parada nas raízes.

· Com o dedo indicador, toque o substrato (a “terrinha”) e sinta se ele está seco. Se estiver bem úmido, nada de água.

· Vai regar? Leve o vaso para uma pia ou um tanque e deixe a água encharcar a planta até escorrer pelos furinhos. Molhe inclusive na parte debaixo das folhas. Deixe escorrendo por alguns minutos até voltar o vaso para o lugar em que ele estava.

· Se a planta estiver florida, tome cuidado para não derrubar água na flor. Não é que ela não goste de rega, não! O problema é que flores molhadas atraem pulgões, fungos e bactérias.

· Orquídeas como as chuva-de-ouro ou as catleias, que têm caule gordinho, precisam de menos água do que as outras. Essa região é chamada de pseudobulbo e serve como uma reserva de comida.

Fonte da imagem: www.akairan.com

Fontes: www.delas.ig.com.br e www.mdemulher.abril.com.br