Além de ser um dos itens de maior impacto visual no paisagismo, um gramado bem cuidado valoriza as áreas externas, ajuda a destacar a exuberância das plantas e flores e, principalmente, é a representação da natureza dentro de nossas casas, condomínios, parques e áreas de lazer.
Portanto, escolher a grama certa para cada situação não é tarefa fácil. Há diferentes tipos de gramíneas no mercado e, embora todos eles possam prover excelentes tapetes verdes para jardinagem, a escolha deve ir além da análise dos efeitos estéticos.
É preciso levar em conta, por exemplo, características do local de implantação, como luminosidade, umidade e tipo de solo. Antes de definir qual grama plantar é fundamental considerar também a possibilidade de manutenção e o nível de pisoteio a que o gramado estará exposto.

No Brasil, entre as espécies mais aproveitadas no paisagismo destacam-se as gramas: Esmeralda (Zoysia Japonica), São-Carlos (Axonopus Compressus), Batatais (Paspalum notatum Flüegge) e Santo-Agostinho (Stenotaphrum Secundatum).

 

Grama Esmeralda (Zoysia Japonica)

A mais popular de todas, especialmente para aplicação em áreas residenciais. Esse tipo de grama é muito utilizado pelos paisagistas por conta de suas folhas mais estreitas, que conferem ao gramado uma aparência delicada. O preço mais baixo, em comparação a outras gramíneas, a resistência e facilidade de manutenção são outros motivos que explicam o sucesso dessa variedade. A versatilidade é outra característica da esmeralda, que pode ser aproveitada em gramados esportivos, jardins residenciais, áreas públicas e, até mesmo, em taludes e encostas para o controle da erosão.

 

Grama São-Carlos (Axonopus Compressus)

Ela tem folhas largas, lisas, sem pelos e de cor verde intensa. Sua característica mais notável é a grande resistência à encharcamento e bom desenvolvimento em locais onde não há boa drenagem de água – condições em que outros tipos de grama não se desenvolveriam. Por ser um tipo de grama bem agressiva, ela também é dotada de grande resistência contra ervas daninhas e desempenha muito bem o papel de controle dessas pragas que podem infestar seu gramado. A grama São-Carlos é mais indicada para: praças, áreas de meia-sombra, condomínios, empresas, jardins residenciais e públicos, sítios, pomares, fazendas e casas de campo.

 

Grama Batatais (Paspalum notatum Flüegge)

Ela é originalmente de pasto e se adapta bem em qualquer tipo de clima, Equatorial, Tropical, Subtropical, e Tropical de Altitude. Suas folhas são pequenas, duras e largas, com textura de veludo e também se adaptam em áreas grandes e amplas, com muita incidência da luz do sol. A grama Batatais tem raízes mais profundas, ela é bastante utilizada no plantio de: encostas, barrancos, represas, áreas de recreação e haras.

 

Santo-Agostinho (Stenotaphrum Secundatum)

Também conhecida como grama inglesa, é muito utilizada em regiões serranas e litorâneas, áreas semi-sombreadas e a beira-mar. Indicada para jardins residenciais e industriais, principalmente no litoral, em função de sua resistência a baixas temperaturas e solos salinos. É a que melhor se adapta a ausência do sol, ou a sombra e tem boa tolerância ao pisoteio. Ela tem folhas planas, estreitas, pequenas, pontiagudas e sem pelos, de coloração verde escura e cresce formando uma camada bem densa.

 

Fonte da imagem: www.greenacresva.com
Fontes: www.gramasnobre.com.br e www.gramasparaiso.com